Início Meio Ambiente e Sustentabilidade Skellefteå, cidade sueca que aposta na madeira como alternativa ao concreto

Skellefteå, cidade sueca que aposta na madeira como alternativa ao concreto

Uma cidade de “madeira” totalmente sustentável. Assim é Skellefteå, no extremo norte da Suécia, onde até mesmo a torre de controle do aeroporto é feita de madeira. Por lá, pontes, escolas, casas e prédios, inclusive um dos mais altos do mundo feito com o material, são todos à base de madeira. Importante destacar, madeira certificada. Tudo isso cercado por uma grande floresta, o que compõem um visual diferente. 

É nos arredores dessa mesma cidade que está sendo construída a maior fábrica de baterias da Europa, que responderá pela próxima geração de baterias de veículos elétricos. Mas esses suprimentos não serão somente fabricados por lá, como também serão reciclados. Uma região, onde helicópteros elétricos em breve serão capazes de transportar visitantes para a gigantesca fábrica Northvolt, enquanto aviões elétricos de longa distância estão sendo testados nas proximidades.

Skellefteå funciona com energia 100% renovável, produzida em usinas hidrelétricas e eólicas. O local recicla 120 mil toneladas de lixo eletrônico por ano, com o excesso de calor do processo retornando ao sistema de aquecimento de toda a cidade. E agora, 20 andares acima do horizonte baixo, Skellefteå tem um monumento adequado às suas credenciais de corte de carbono. O Sara Cultural Center e seu imponente Wood Hotel são exemplos do que é possível fazer com madeira – e armazenam cerca de 9.000 toneladas de carbono da atmosfera no processo.

“Quando vi a proposta do concurso, não pensei que seria possível construir”, diz o prefeito, Lorents Burman. “Vinte andares de altura em madeira? Em Skellefteå? ” Graças a três equipes de engenheiros estruturais e à experiência em pré-fabricação da região, a torre de madeira agora se destaca como um projeto para uma nova geração de “plyscrapers”.

A tecnologia por trás disso é surpreendentemente simples. Os dois materiais principais são madeira laminada colada (glulam) e madeira laminada cruzada (CLT). O primeiro é feito de camadas de madeira coladas entre si, com o grão correndo na mesma direção, o que lhe confere uma capacidade de carga maior do que o aço e o concreto, em relação ao seu peso. Ideal para colunas e vigas, forma a estrutura do centro cultural, que abriga dois teatros, um museu, uma galeria de arte e uma biblioteca.

O CLT, por sua vez, é como um compensado superdimensionado, com cada camada colada em ângulos retos com a seguinte. Isso, o torna forte em todas as direções, por isso é perfeito para paredes e lajes de piso. Os núcleos dos elevadores em cada extremidade da torre de 20 andares são feitos de CLT, com cápsulas pré-fabricadas de quartos de hotel empilhadas entre elas, incorporando colunas de glulam em seus cantos para maior resistência. Por fim, a fachada de vidro duplo mantém os quartos isolados no inverno e frescos no verão, à medida que o ar aquecido sobe entre os vidros.

A natureza de “acabamento próprio” da madeira maciça estrutural, que pode simplesmente ser deixada exposta, significa que a torre foi incrivelmente rápida de construir, acabando com os habituais trabalhos úmidos de estuque e decoração. Um ano inteiro foi economizado com o uso de madeira, em comparação com aço e concreto, com um andar concluído a cada dois dias. O número de entregas de caminhões também foi reduzido em cerca de 90%, com praticamente zero desperdício no local. Como pedaços de um modelo gigante de madeira balsa, as peças vieram de fábricas prontas para serem aparafusadas, algumas em painéis de 27 metros de comprimento, enquanto as árvores foram colhidas em um raio de 60 km do local – e todas foram reabastecidas desde então. Assim como os menus de restaurantes forrados pela floresta da região, este é um abastecimento local significativo, em vez de um verniz verde.

O clima não é o único beneficiado. A construção em madeira parece ter um efeito positivo nos trabalhadores da construção. Enquanto um local de construção normal é um local barulhento e tóxico de fumaça e poeira, um local de madeira é uma imagem de serenidade. 

Com todas essas paredes, tetos e pisos de madeira exposta, o lugar parece uma sauna gigantesca – com o aroma que combina. Mas olhe de perto e você verá que nem tudo é madeira. Grandes placas de aço são aparafusadas nas gigantescas paredes de compensado do quinto andar, revelando a presença de uma grande treliça de aço – usada para transferir o peso da torre para as paredes do centro cultural, possibilitando um espaço livre de colunas abaixo. O concreto também é usado nos dois andares superiores, para impedir que a torre balance muito com o vento.

De acordo com a rede de energia avançada da cidade (e de propriedade do município), o edifício usa inteligência artificial para monitorar o uso de energia e prever as necessidades de aquecimento, bem como se comunicar com os edifícios circundantes. O excesso de energia produzida pelos painéis solares pode ser enviado para o centro de viagens nas proximidades, por exemplo, ou economizado em baterias no porão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

O presidente finlandês Sauli Niinistö com o americano Donald Trump: a Finlândia proclamou sua independência da Rússia há mais de um século

“A Finlândia é parte da Rússia?” Livro revela pergunta de Trump

0
Donald Trump certa vez perguntou a seu chefe de gabinete se a Finlândia fazia parte da Rússia - e isso quando o presidente dos...
- Publicidade -