Início Sociedade Número de imigrantes na Dinamarca deve dobrar até 2060. Empresários acham isso...

Número de imigrantes na Dinamarca deve dobrar até 2060. Empresários acham isso bom, e alguns políticos, nem tanto

O número de imigrantes na Dinamarca deve praticamente dobrar até 2060, segundo a estimativa mais recente do Danmarks Statistik, o instituto responsável pelas estatísticas oficiais do país. O volume atual é de 493.468 pessoas, e a projeção é de que chegue a 867.258 dentro de 42 anos, número que corresponderia a 13,1% do total da população – a proporção atual é de 8,5% – , segundo registraram os jornais Berlingske e Jyllands-Posten, dois dos mais importantes do país.

A depender do segmento da sociedade consultado, essa pode ser uma boa notícia ou uma nem tanto. A Dansk Industri (DI), a confederação das indústrias do país, vê o crescimento do número de imigrantes como positivo. “Há muitos empregos sendo criados, e precisamos de profissionais para ocupar essas vagas, o que faz dessa uma boa hora melhorarmos a integração [dos imigrantes]”, diz Steen Nielsen, vice-presidente da entidade.

De outro lado, Mads Fuglede, porta-voz para assuntos de imigração do partido conservador Venstre, acredita que os números reiteram a necessidade de aumento das restrições para a entrada de estrangeiros no país. “Precisamos assumir o controle do fluxo de pessoas que vêm para a Dinamarca. É claro que é menos problemático quando quem chega vem para trabalhar", diz, em oposição a quem, segundo ele, desembarca no país com pouca disposição de se integrar à vida local e com habilidades que dificilmente seriam aproveitadas pelo mercado de trabalho.

O raciocínio é parecido com o exposto por Mattias Tesfaye, porta-voz para assuntos de imigração e integração do partido de centro-esquerda Socialdemokratiet. Segundo ele, nos últimos dez anos, cerca de 100 mil autorizações de residência foram dadas a refugiados. “Muitas dessas pessoas precisam de ajuda de psiquiatras, dos quais atualmente há escassez. Além disso, essas pessoas são frequentemente trabalhadores não-qualificados”, disse Tesfaye.

Outros especialistas estão preocupados com os impactos que o fenômeno poderá ter sobre o sistema de bem-estar social dinamarquês. Um dos entraves é o fato de muitos imigrantes terem dificuldade de integração com a vida no novo país. “O financiamento do nosso estado de bem-estar social é construído com base na premissa de que uma grande parcela da população esteja empregada”, disse Jan Rose Skaksen, chefe de pesquisa da Fundação Rockwool. “Se eles [imigrantes] não estiverem [empregados], não poderão contribuir, o que vai custar dinheiro na forma de benefícios.”

Hoje, 55% dos imigrantes não-ocidentais do sexo masculino estão empregados. Entre as mulheres, o número é de 46%. Entre os dinamarqueses de nascimento, os números são de 77% e 74%, respectivamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -