Preloader

Sociedade

Afinal, o que faz da Dinamarca um país tão próspero (e feliz)?

quinta-feira, 28 de novembro de 2019
Afinal, o que faz da Dinamarca um país tão próspero (e feliz)?

O que faz da Dinamarca um dos países mais prósperos (e felizes do mundo), afinal? E será que esse modelo - caso de fato exista - poderia inspirar ações semelhantes no Brasil? Os aspectos culturais, geográficos, econômicos e sociais impedem que países tão diferentes simplesmente copiem iniciativas uns dos outros, mas a proposta do Scandinavian Way segue a mesma: mostrar o que os escandinavos têm de positivo para que, com informação, possamos criar nossas próprias soluções em áreas como sustentabilidade, inovação, educação e gestão pública.

Anders Fogh Rasmussen, que foi primeiro-ministro da Dinamarca entre 2001 e 2009, falou sobre o "segredo" da felicidade do país em artigo publicado nesta semana na revista americana Time. Sob o título, "Eu comandei um dos países mais felizes do mundo. Aqui está o que outras democracias poderiam aprender com nosso modelo", Rasmussen explica que confiança, bons serviços públicos e leis trabalhistas boas para patrões e empregados são a base da abordagem dinamarquesa (e escandinava).

LEIA TAMBÉM:
Finlândia: o país mais feliz do mundo tem sua "capital do pessimismo"
Capitais escandinavas se destacam em ranking de "riqueza inclusiva"
Escandinavas dominam lista global de cidades de maior bem-estar

Com a palavra, Anders Fogh Rasmussen:

Em todo o mundo democrático, as pessoas nunca foram tão ricas, saudáveis nem viveram na relativa paz dos dias de hoje. No entanto, elas são infelizes, e a ideia de que nossos filhos terão uma vida melhor do que nós já é questionada.

Essa infelicidade tornou-se um ponto de partida para discutirmos o contrato social que sustenta nossos estados democráticos. Ele está tornando o Ocidente ingovernável, à medida que eleitores ansiosos recorrem ao populismo e ao isolacionismo. É por isso que o Ocidente deve enfrentar essa epidemia de infelicidade antes que nosso mundo democrático seja destruído.

As principais forças democráticas estão buscando uma nova narrativa para atuar como um antídoto para o medo do populismo - e a narrativa precisa ser a narrativa a da felicidade e da esperança.

Desde que a equipe de Bill Clinton adotou o slogan "é a economia, estúpido", a convenção tem sido a de que uma economia em crescimento é o principal ingrediente da reeleição. Mas a realidade de hoje é diferente. Dos contracheques da classe média aos cinturões da ferrugem (termo que faz referência a centros industriais decadentes) deixados para trás pela globalização, a maioria das pessoas não sente que o sistema funcione para elas.

O medo tornou-se um fator determinante em nossas sociedades, à medida que os políticos lembram as pessoas que já sentem que sua posição na sociedade é instável - e que o quadro pode ficar ainda pior. Tanto políticos eleitos quanto candidatos apelam a discursos que falam sobre o medo do crime e do terrorismo, de imigrantes e de minorias. Nas eleições do Reino Unido que estão em andamento, os trabalhistas estão invocando o medo de que os conservadores privatizem o provedor de saúde universal, o NHS, enquanto os conservadores estão criando uma visão distópica de um país marxista, caótico e paralisado sob os trabalhistas.

Isso não é necessário. Eu tinha orgulho de ser o primeiro-ministro de um dos países mais felizes do mundo. A Dinamarca está sempre nas primeiras posições do World Happiness Report, tendo ficado em 2019 atrás apenas da Finlândia. Embora não exista uma fórmula mágica, acredito que há três elementos principais na Escandinávia que podem mostrar o caminho: confiança, serviços públicos e a "flexigurança".

Na Dinamarca, nosso pequeno país se baseia na confiança, honestidade e franqueza. As pessoas sabem que governo, imprensa e empresas não estão tentando enganá-las. O Índice de Percepção de Corrupção da Transparência Internacional classificou a Dinamarca como o país menos corrupto do mundo. Como uma evidência dessa sociedade baseada na confiança, todos os anos realizamos um evento chamado Folkemødet, o festival democrático do povo, no qual todos os cidadãos podem se encontrar e debater com suas lideranças políticas, mídia e líderes empresariais.

Também somos um país com altos impostos. Durante meu período como primeiro-ministro, eu congelei os níveis de impostos, e a Dinamarca está envolvida em um debate interno sobre como manteremos os serviços, à medida que a população envelhecida faz com que a parcela de pessoas ricas diminua. No entanto, nenhum partido político convencional questiona a prestação de serviços públicos pagos pelos contribuintes, como assistência médica, assistência a idosos e educação. O debate na Dinamarca gira em torno do nível de financiamento tributário, e não do princípio.

E temos um conceito chamado flexigurança, que flexibiliza as regras trabalhistas, mas sem que isso signifique insegurança para as pessoas, o que normalmente ocorre em mercados de trabalho flexíveis. Com o modelo dinamarquês, nos concentramos na produtividade, mas também garantimos que haja tempo suficiente para férias, vida familiar, esportes e hobbies. A flexigurança é composta por um triângulo de ouro da flexibilidade do mercado de trabalho combinado com uma forte rede de segurança social e políticas ativas para ajudar e incentivar os desempregados a voltar ao trabalho.

Acredito que a força da Escandinávia vem de seu investimento em capital social, tanto quanto nos concentramos em aumentar nosso capital financeiro.

A Dinamarca certamente não é perfeita, mas nosso foco no bem-estar produz eleitores mais felizes. Acredito que um novo paradigma de "governança para a felicidade" oferece uma visão otimista em tempos desafiadores. Trata-se de um conceito que está ganhando espaço em vários países: nos Emirados Árabes Unidos, o governo tem um ministro da felicidade; o Butão criou um índice de Felicidade Nacional Bruta, que mede a felicidade dos cidadãos; e o orçamento de bem-estar da Nova Zelândia se concentra em esforços pela melhoria da saúde mental, e combate à pobreza infantil e à violência familiar.

"Orçamentos de felicidade" semelhantes aos da Nova Zelândia devem ser considerados pelos líderes do G7 e ministros de finanças em suas próximas reuniões. Pode parecer inadequado para um órgão geralmente geopolítico discutir o bem-estar das pessoas, mas esse tópico tornou-se central em meio ao colapso de nossas democracias - o que, por sua vez, está fragmentando o mundo ocidental. O G7 é o órgão encarregado de defender os interesses do mundo democrático devido à sua influência econômica e política. Mas nestes tempos de mudança, defender a ordem democrática baseada em regras também exige introspecção sobre como proteger as fundações de nossas democracias de serem consumidas de dentro para fora em virtude do descontentamento dos eleitores.

A necessidade de uma mudança das políticas é apoiada por uma pesquisa recente realizada pelo filantropo ucraniano Victor Pinchuk para a reunião anual de Yalta European Strategies (YES), na Ucrânia, onde o tema foi discutido detalhadamente. Realizado em 15 países de seis continentes, o estudo mostra que as pessoas esperam que seu governo coloque a felicidade no centro de suas políticas - dos entrevistados, 57,6% disseram que felicidade e saúde são os fatores mais importantes em suas vidas, colocando-os à frente de questões como renda e sucesso na carreira; e 85,4% indicaram que esperam que o governo seja proativo em aumentar a felicidade de seus cidadãos.

A felicidade pode parecer uma gentileza conceitual para a maioria dos líderes políticos, mas é uma mudança na narrativa cujos perigos os líderes têm esnobado. O populismo afeta as emoções das pessoas de uma maneira altamente bem-sucedida; é hora de as lideranças encontrarem uma maneira emocional de se reconectar com pessoas que só querem ser felizes.