Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Norueguês espera três anos por ‘foto perfeita’ – e premiada

sexta-feira, 18 de outubro de 2019
Norueguês espera três anos por ‘foto perfeita’ – e premiada

O norueguês Audun Rikardsen é um nome conhecido no universo da fotografia da natureza. Aos 51 anos, ele tem acumulado prêmios, o que não o impediu de, nesta semana, comemorar como um iniciante a entrega do Wildlife Photographer of the Year, premiação organizada pelo Museu de História Natural de Londres que é considerada o Oscar da fotografia da vida selvagem.

O entusiasmo tem razão de ser: Rikardsen levou nada menos que três anos para conseguir fazer o registro vencedor. O norueguês fotografou o pouso de uma águia-real no alto das montanhas da ilha de Kvaløya, em Tromsø, no norte do país, onde ele mora com sua família.

LEIA TAMBÉM:
Islândia quer reforçar proteção à ave-símbolo do país
Finlândia é eleita o melhor destino turístico do mundo para se conhecer vida selvagem
Noruega quer proibir criadouros de animais para a indústria de peles

"Essa é a melhor coisa que você pode conseguir na fotografia da vida selvagem. É uma cerimônia fantástica. Você se sente como uma estrela", disse ele à emissora NRK. Além de se dedicar à fotografia, Rikardsen trabalha como professor de biologia marinha e do ártico na Arctic University of Norway, em Tromsø.

O início de sua busca pela imagem perfeita foi apresentado em um documentário produzido em 2015 pela emissora pública NRK. Para o registro, ele utilizou uma máquina que o avisava da chegada da ave. "Em seguida, eu me levantava e subia a montanha para ajustar a câmera e o flash", contou. Após milhares de tentativas, a foto vencedora da águia-real foi tirada em março do ano passado.

Dividido em categorias como répteis, mamíferos, subaquática e plantas e fungos, entre outras, o Wildlife Photographer of the Year também premia jovens talentos, com categorias específicas para fotógrafos de menos de 17 anos de idade. Neste ano, Rikardsen recebeu o troféu na categoria Pássaros, que ele considera uma das mais difíceis (e talvez os três anos de espera atestem essa percepção).

O prêmio do Museu de História Natural de Londres, que em 2019 chegou à sua 55ª edição, não era novidade para o norueguês: esta foi, na verdade, sua 12ª conquista. Ainda assim, Rikardsen garante que uma vitória no mais importante concurso de fotos de vida selvagem do mundo nunca será rotineira. "É tão bom quanto nas vezes anteriores", disse.

Clique aqui para conhecer o trabalho do fotógrafo norueguês Audun Rikardsen.