Preloader

Sociedade

A Finlândia tem um grande problema pela frente: a população vai começar a encolher

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018
A Finlândia tem um grande problema pela frente: a população vai começar a encolher

A Finlândia tem a reputação de ter o melhor sistema de ensino que existe e é uma das nações de maior desenvolvimento humano do planeta, mas todos os países, por mais prósperos que sejam, têm também desafios a enfrentar. No caso dos finlandeses, o problema é demográfico - e está prestes a sair do campo das hipóteses para se tornar real: em poucos anos, a população do país deve começar a encolher. 

Segundo os cálculos apresentadas em novembro pelo Tilastokeskus, o instituto que apura as estatísticas oficiais do país, a população finlandesa, que é hoje de 5,5 milhões de pessoas, deve crescer até atingir 5,62 milhões de indivíduos em 2035 - e isso só deve ocorrer por causa da chegada de imigrantes. Depois disso, o número de habitantes deve começar a diminuir até chegar em 2050 a um patamar parecido com o de hoje. 

A projeção de que o número de finlandeses vai começar a cair não é recente, mas, até agora, acreditava-se que o ponto de inflexão demoraria a chegar. Esse fator novo é que passou a preocupar muitos economistas. "Antes, a previsão era de que a curva de crescimento continuaria pelo menos até 2065", destacou no Twitter Timo Vesala, economista-chefe do Savings Bank Finland, segundo registro do Helsinki Times.

Esse fenômeno vai testar até o limite a força do sistema de bem-estar social adotado pelo país, avalia o economista. "Havia preocupações sobre o número de pessoas em idade ativa já na previsão populacional anterior, mas agora serão 200 mil [trabalhadores a menos] em 2050 e 460 mil em 2070. A produtividade vai precisar crescer", acrescentou Vesala.

Se a taxa de fertilidade da Finlândia permanecer no nível atual, de 1,65 nascimentos por mulher, o mais baixo já registrado, o número de finlandeses com menos de 15 anos de idade será de 760 mil pessoas em 2030, segundo o Tilastokeskus. Ainda de acordo com o Instituto, se a taxa de fertilidade não mudar, haverá menos de 700 mil pessoas com menos de 15 anos na década de 2050. A população em idade ativa, por sua vez, deverá diminuir em 57 mil indivíduos até 2030 - e isso depois de já ter diminuído em mais de 100 mil entre 2010 e 2018.

Mauri Kotamäki, economista-chefe da Câmara de Comércio da Finlândia, advertiu que a baixa taxa de fertilidade terá impactos enormes sobre o equilíbrio de longo prazo das contas públicas. O ministro das Finanças da Finlândia, Petteri Orpo, por sua vez, também admitiu que a previsão "infelizmente" exigirá a atualização dos cálculos dos déficits que orientam a formulação de políticas públicas.

(Foto: Carlos "Grury" Santos)