Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Em novo esforço sustentável, Copenhague vai reduzir consumo de carne

sexta-feira, 30 de agosto de 2019
Em novo esforço sustentável, Copenhague vai reduzir consumo de carne

A prefeitura de Copenhague decidiu diminuir a utilização de alimentos à base de carne no serviço público. A decisão, tomada neste mês de agosto, é mais um dos esforços da capital dinamarquesa para reduzir seu peso na emissão de poluentes nocivos ao meio ambiente. 

Com a medida, a cidade vai mudar a proporção de proteína animal na composição dos alimentos servidos em prédios públicos, que servem cerca de 70 mil refeições por dia. Isso significa que espaços como creches, escolas e hospitais vão passar a ter mais pratos à base de plantas, segundo registra o jornal The Copenhagen Post. A estratégia também inclui reduzir o desperdício de alimentos.

LEIA TAMBÉM:
O que Copenhague pode nos ensinar para reduzirmos a emissão de poluentes
Copenhague transforma estação de tratamento de lixo em pista de esqui
Em novo projeto sustentável, Copenhague cria "campeonato" de recolhimento de lixo

A iniciativa integra um esforço de Copenhague que prevê, até 2025, reduzir em 25% sua pegada climática criada pelo consumo de alimentos. Atividades como a pecuária emitem mais gases causadores do aquecimentoi global do que a agricultura, o que explica a decisão da capital dinamarquesa.

“Reduzir a pegada climática em 25% até 2025 é uma meta ambiciosa", diz Tarjei Haaland, consultor de clima e energia do Greenpeace. "Mas é necessário reduzir nosso alto consumo e produção de carne para alcançarmos a meta climática do país de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 70% em 2030.”

A diminuição da pegada climática dos alimentos consumidos na cidade integra um esforço mais amplo - e ainda mais ambicioso: o de neutralizar as emissões de carbono completamente nos próximos seis anos. Copenhague quer ser a primeira cidade do mundo a compensar 100% dos poluentes que libera na atmosfera. O objetivo é também alcançar esse feito até 2025.