Preloader

Sociedade

Copenhague é a segunda metrópole mais atrativa do mundo, diz ranking

segunda-feira, 19 de agosto de 2019
Copenhague é a segunda metrópole mais atrativa do mundo, diz ranking

Morar em Copenhague não é barato, o que não impede a capital da Dinamarca de ser a segunda cidade mais atrativa do mundo para se viver. A constatação, que acaba de ser divulgada, aparece em um novo ranking, elaborado pelo buscador de aluguéis dinamarquês Voreslejebolig.

Para elaborar a lista, a empresa levou em conta seis parâmetros: custo de aluguel e de itens de primeira necessidade, como alimentos e bebidas, nível salarial, oferta de serviços de saúde e índices de desemprego e criminalidade. Praga, na República Tcheca, ficou em primeiro lugar no ranking. Também em destaque, Helsinque, na Finlândia, apareceu na sétima colocação.

LEIA TAMBÉM:
Copenhague é a cidade a visitar em 2019, segundo o Lonely Planet
Em novo projeto sustentável, Copenhague cria "campeonato" de recolhimento de lixo
O que Copenhague pode nos ensinar para reduzirmos a emissão de poluentes
Copenhague e Helsinque aparecem entre as cidades com melhor qualidade de vida do mundo

"Se você considerar os fatores básicos que o ajudam na rotina diária, e se você valoriza estabilidade e segurança, Copenhague e a Dinamarca estão entre os melhores lugares do mundo", disse, comunicado, Thomas Barfod, diretor da Voreslejebolig.

O levantamento comparou 25 grandes cidades do mundo. Segundo o jornal The Copenhagen Post, estão na lista as maiores metrópoles de acordo com a definição adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que considera metrópole uma área densamente povoada cercada por locais menos populosos e inteiramente sob a influência da área urbana central. São Paulo ficou em 23º lugar no ranking geral - mas em último no quesito criminalidade.

Os altos salários, a boa oferta de serviços de saúde e os baixos índices de criminalidade e desemprego foram os pontos fortes de Copenhague, segundo a pesquisa. Na outra ponta, aluguéis e preços de itens de primeira necessidade elevados afetaram sua pontuação geral. Isso não chega a ser uma surpresa: em um outro levantamento, da Economist Intelligence Unit, braço de pesquisas da revista britânica The Economist, a capital dinamarquesa apareceu neste ano entre as dez cidades mais caras do mundo.