Preloader

Sociedade

Derretimento do gelo revela base militar secreta dos EUA na Groenlândia

quinta-feira, 8 de agosto de 2019
Derretimento do gelo revela base militar secreta dos EUA na Groenlândia

Uma base militar secreta norte-americana abandonada no auge da Guerra Fria e que foi totalmente coberta por camadas de gelo na Groenlândia está lentamente retornando à superfície. A revelação aparece em um relatório publicado por cientistas dinamarqueses.

Conhecida como Camp Century, a estrutura foi erguida no extremo norte da Groenlândia - que integra o Reino da Dinamarca - nos anos 50 para funcionar oficialmente como uma estação de pesquisa. Mas, décadas mais tarde, foi revelado que o local tratava-se, na verdade, de uma base militar secreta, abastecida pelo primeiro reator nuclear móvel do mundo. Ela foi construída para servir de base de lançamento de mísseis nucleares contra a União Soviética em caso de guerra.

LEIA TAMBÉM:
Submarino soviético que naufragou em 1989 pode ter vazamento radioativo na Noruega
Finlândia está perto de concluir um inédito "depósito eterno" para lixo nuclear
Ilha norueguesa luta para resgatar "bomba tóxica" nazista que naufragou há 74 anos

Os mísseis seriam armazenados em uma rede de túneis e laboratórios. No entanto, problemas de engenharia e objeções da Dinamarca sobre o objetivo real da base levaram os militares americanos a fechá-la em 1966, confiantes de que a instalação gradualmente seria enterrada naturalmente no gelo.

Ruth Mottram, do Instituto Meteorológico Dinamarquês, afirma que a camada de gelo da Groenlândia parece ter encolhido mais no último mês do que a média de um ano inteiro desde 2002, segundo dados provisórios de satélite. Os governos da Dinamarca e da Groenlândia - território que tem relativa autonomia - montaram um programa de monitoramento climático em 2017 para rastrear os restos de Camp Century, informa a BBC.

Alguns pesquisadores acreditam que a base pode até cair no mar. Pesquisas feitas com radares indicaram, por outro lado, que Camp Century ainda está a 100km da borda (da calota polar) e que "levará muitos, muitos anos antes de chegar a um ponto crítico", segundo a glaciologista dinamarquesa Nanna Karlsson. Mas, como relata a emissora TV2, "as mudanças climáticas colocaram em dúvida este plano" porque o gelo da Groenlândia está derretendo.

O mais recente relatório de Karlsson e seus colegas do Serviço Geológico da Dinamarca e Groenlândia (GEUS) usa dados de radar para detalhar o quanto a base se moveu desde 1959. Os cientistas percorreram a calota de gelo há dois anos, arrastando consigo dispositivos de radar. Karlsson diz que foram localizadas as formas cônicas dos tetos dos túneis a uma profundidade de 50 metros. A expedição também descobriu que a base e suas estimadas 9,2 mil toneladas de sucata e resíduos de óleos, que representam um risco ambiental, além da preocupação gerada pelos resíduos radioativos do reator nuclear, estão afundando.

Os cientistas do GEUS dizem que o afundamento da base "pode ter um impacto no tempo que a instalação vai levar para emergir do gelo". E há ainda uma outra incógnita: quem vai limpar a "sujeira". A base foi construída sob um acordo entre Estados Unidos e Dinamarca, sem que o povo da Groenlândia tivesse voz na época.

O acordo "permitiu a Camp Century afundar no gelo com tudo o que continha, incluindo poluentes", reclamou no ano passdado o ministro das Finanças da Groenlândia, Vittus Qujaukitsoq, em declaração ao site de notícias dinamarquês Altinget, A manifestação indica que o governo da ilha espera que a Dinamarca e os EUA estejam prontos para assumir a responsabilidade quando a base emergir.

Teme-se que Camp Century possa lançar ao mar resíduos químicos e nucleares e, com isso, causar problemas ao ecossistema da região. William Colgan, cientista especializado em clima e geleiras, afirma que a incerteza sobre quem assumirá a função de dar conta deste esqueleto da Guerra Fria poderia criar "uma forma totalmente nova de disputa política, resultante das mudanças climáticas".