Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Com o aquecimento global, produção de vinhos cresce na Suécia

segunda-feira, 5 de agosto de 2019
Com o aquecimento global, produção de vinhos cresce na Suécia

Até o fim dos anos 90, falar que a Suécia produziria vinho era impensável, mas o aquecimento global mudou o cenário. Agora, duas décadas após o plantio das primeiras mudas de uvas viníferas, os produtores suecos se preparam para uma produção sem precedentes. "Teremos (em 2019) um recorde tanto no número de novos vinhos a serem lançados quanto no volume da bebida", diz Hans Håkanson, presidente da Svenska Hantverksdrycker, entidade que reúne pequenos produtores de bebidas.

Os cerca de 40 viticultores da Suécia viram sua atividade crescer após as temperaturas ficarem bem acima da média no verão de 2018. Ainda no ano passado, a organização Swedish Wine já previa uma safra recorde neste ano, entre 30% a 50% maior que a habitual, o que levaria a colheita de uvas para até 200 toneladas.

LEIA TAMBÉM:
Para promover a sustentabilidade, Islândia lança inédita "água de torneira premium"
Gin finlandês é eleito o melhor do mundo, mas ele não pode ser vendido no país
Islandeses comemoram os 30 anos do fim da proibição da cerveja no país

Pau Roca, diretor geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), diz que o avanço da atividade no norte da Europa tem relação direta com as mudanças climáticas do planeta. "A colheita na Alemanha tem sido muito grande e de alta qualidade, e isso é resultado das mudanças climáticas", afirma.

Na Suécia, o clima mais seco e as temperaturas mais amenas somaram-se ao aumento da área plantada como fatores para o crescimento da atividade. "Os produtores de vinho foram capazes de colher em vários lotes, o que tornou possível fazer vários tipos diferentes de vinho", diz Hans Håkanson. O aumento da incidência de luz solar, explica ele, melhorou a maturação das uvas.

Murat Sofrakis, produtor que desde 2001 administra uma vinícola em Klagshamn, nos arredores de Malmö, relatou ao site The Local uma safra no ano passado que já havia sido 25% maior que a média. No entanto, ele acredita ser "cedo demais" para afirmar se o clima mais quente levaria a uma melhor qualidade da bebida. Grande parte do vinho produzido a partir da colheita do outono passado será armazenado e vendido nos próximos anos.