Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Cidade norueguesa rejeita projeto de vender gelo de glaciar a bares

quinta-feira, 16 de maio de 2019
Cidade norueguesa rejeita projeto de vender gelo de glaciar a bares

Durante quatro anos, o empresário norueguês Geir Olsen investiu no projeto de vender cubos de gelo extraídos de Svartisen, a segunda maior geleira da Noruega, para bares, restaurantes e navios de cruzeiro de todo o mundo. Agora, o município de Meløy, no norte do país, decidiu proibir a comercialização. Cada pedaço seria vendido por 100 coroas, ou o equivalente a R$ 45.

A empresa de Olsen, a Svaice, entrou em 2015 com um pedido para extrair até 3,6 mil metros cúbicos de gelo de Svartisen e transportá-lo de helicóptero. A solicitação foi recebida com fortes protestos de organizações ambientais, profissionais de turismo e políticos.

LEIA TAMBÉM:
Noruega vai proibir o uso de utensílios de plástico descartáveis a partir de 2020
Conheça Longyearbyen, a cidade norueguesa na qual é "proibido morrer"
"Bunker do apocalipse", na Noruega, está ameaçado pelas mudanças climáticas

Segundo o prefeito de Meløy, Sigurd Stormo, a maioria do conselho municipal rechaçou o pedido, preferindo escolher um "plano completamente novo para a proteção e o uso da área de Svartisen". O novo plano, diz Stormo, também avaliará se os depósitos de gelo, minerais e cascalho na área podem ter finalidade comercial, o que pode levar até à liberação da produção de cubos de gelo.

"Mas estamos falando sobre algo para daqui a muitos anos. E qualquer plano deve estar em linha com a sustentabilidade e a gestão da área", disse o prefeito à emissora NRK. Olsen investiu 12 milhões de coroas (R$ 5,5 milhões) na produção de cubos de gelo e declarou à NRK que deve vender a fábrica se não conseguir o apoio da prefeitura. 

Após os protestos recentes, a Svaice já havia decidido não extrair gelo durante a temporada de verão. O plano era iniciar a produção em setembro e interrompê-la em abril. O empresário discorda do argumeto de que a extração afetaria a geleira, que tem cerca de 370 quilômetros quadrados de área e se estende pelos municípios de Rana, Meløy e Rødøy. As agências de turismo de Meløy, por sua vez, temiam que o projeto afetasse a imagem da cidade, o que poderia significar uma queda no número de visitantes.