Preloader

Inovação

Cientistas suecos criam madeira transparente que pode substituir o vidro

quinta-feira, 4 de abril de 2019
Cientistas suecos criam madeira transparente que pode substituir o vidro

É difícil imaginar uma janela feita de qualquer coisa que não seja vidro. Mas um novo material translúcido desenvolvido por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia (KTH), na Suécia, pode substituí-lo com vantagens: a madeira transparente. Segundo seus criadores, ela é mais resistente e isola melhor o calor do que o vidro. 

 

Segundo informa a revista Superinteressante, os cientistas suecos desenvolveram um processo que remove a lignina, molécula que estrutura a parede celular das células da madeira – e também absorve a luz. Isso já resultou numa madeira transparente. Depois, os pesquisadores acrescentaram acrílico à mistura para reduzir a dispersão da luz.

Esse trabalho prévio foi realizado em 2016 e apontou o caráter promissor do material. Para investigar como aprimorá-lo ainda mais, a equipe incluiu recentemente a substância PEG, o polietilenoglicol, polímero que agregou excelentes características térmicas ao composto.

Graças ao PEG, o calor de um dia ensolarado é armazenado na janela, mantendo o interior mais fresco que o exterior nas horas de sol. Já quando anoitece, acontece o processo inverso: o polímero se solidifica e libera o calor para dentro da casa. É uma forma de garantir que o ambiente se mantenha com uma temperatura estável e agradável.

LEIA TAMBÉM:
Finlândia e Suécia estão entre os países mais inovadores do mundo, segundo ranking da Bloomberg
Cozinha de aluguel: em vez de vender móveis, a sueca Ikea testa novo modelo de negócios
Para cientistas suecos, segredo dos drones do futuro pode estar escondido no escuro - com os morcegos

A madeira transparente não é biodegradável, já que contém acrílico. Mas os pesquisadores acreditam que esse material possa ser substituído por outro polímero natural. Isso tornaria o novo material uma opção melhor, do ponto de vista ecológico, do que o vidro, o plástico e o concreto.

O próximo passo é desenvolver processos para tornar a produção viável em escala industrial – o que, segundo os suecos, deve ocorrer nos próximos cinco anos. Se vingar, essa solução inovadora tem boas chances de se tornar uma tendência na arquitetura.