Preloader

Sociedade

Suécia cria fachadas portáteis para alegrar escolas montadas em antigas fábricas

sábado, 30 de março de 2019
Suécia cria fachadas portáteis para alegrar escolas montadas em antigas fábricas

O número de crianças tem crescido na Suécia - ao contrário do que ocorre em boa parte dos países europeus -, o que tem causado um déficit na oferta de vagas nas escolas do país. Segundo a Agência de Educação Nacional Sueca, nos próximos cinco anos, o país precisará de 77 mil professores em tempo integral para suprir a demanda.

A necessidade não é apenas de mais professores, mas também de mais espaço físico. Para economizar recursos - e também fazer frente à escassez de matéria-prima -, a Suécia tem reaproveitado galpões antigos ou mesmo contêineres, espaços que, se suprem uma emergência, não podem ser considerados os mais adequados para crianças em fase de desenvolvimento de suas habilidades.

LEIA TAMBÉM:
Quem é Greta Thunberg, a adolescente sueca que virou símbolo de luta contra o aquecimento global
Cozinha de aluguel: em vez de vender móveis, a sueca Ikea testa novo modelo de negócios
Aqui, não: Apple ficou "furiosa" depois de Estocolmo rejeitar uma loja no parque mais amado da cidade

Agora, os suecos tiveram uma nova ideia - muito mais lúdica. Por meio de uma concessão federal, o estúdio de arquitetura UMA começou a desenvolver fachadas coloridas, pré-fabricadas e baratas para dar uma cara de escola de fato aos galpões que têm sido reaproveitados, muitos deles com um indisfarçável aspecto de fábrica antiga.

O projeto foi batizado de "Barrack Attack". O estúdio criou seis conceitos para as fachadas - apenas um será escolhido para ser tirado do papel. Como podem ser removidas, as estruturas permitem sua reutilização caso a escola mude de endereço - trata-se, afinal, de colégios montados em antigas instalações industriais.

"Embora apenas um dos conceitos vá de fato ser produzido, todas as ideias fundamentalmente repensam o que uma estrutura portátil pode fazer além de apenas oferecer espaço para o estudo", diz a revista Fast Company, que noticiou o projeto sueco. "Isso é importante. Afinal, para além de as escolas serem o local onde nossos filhos estudam, pesquisas já demonstraram que as crianças têm melhor desenvolvimento em ambientes claros e decorados com arte."

Como atesta o projeto sueco, a forma também é conteúdo.