Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Na Islândia, presidente usa redes sociais para pedir à população que não jogue lixo no chão

sábado, 16 de março de 2019
Na Islândia, presidente usa redes sociais para pedir à população que não jogue lixo no chão

Diante de tanta agressividade e desavenças nas redes sociais, às vezes esquecemos que elas podem ser usadas para disseminar coisas construtivas. Mas, sim, isso é possível, como provou recentemente o presidente da Islândia.

Na manhã do último dia 10 (domingo), Guðni Th. Jóhannesson saiu para um passeio a pé no entorno de Bessastaðir, a residência oficial da presidência, e acabou encontrando lixo pelo caminho. O mandatário islandês decidiu ele próprio recolher os resíduos, fotografá-los (imagem acima) e passar uma mensagem positiva à população. Sem ofensas, sem acusações, mas ainda assim uma reprimenda.

LEIA TAMBÉM:
Islândia é o melhor país para as mulheres viverem, diz Fórum Econômico Mundial
- Em novo ranking, Islândia aparece mais uma vez como o país mais seguro do mundo
Hotel sueco oferece quarto de graça para quem ficar longe das redes sociais

O passeio não era uma ação publicitária - não havia assessores, câmeras ou imprensa por perto. O próprio presidente não aparece na imagem. Segundo registrou a revista Iceland Review, a foto foi postada no Facebook com a seguinte mensagem:

“A beleza, a praia e a estrada.

Bessastaðir fica linda em uma manhã de sol. É por isso que é uma pena saber quanto lixo pode ser encontrado se procurarmos nos lugares certos. Parte desse lixo é trazida pelo vento. Mas alguns materiais são claramente jogados pelas janelas dos carros ou por aqueles que não se dão ao trabalho de levar o lixo para casa depois de uma caminhada. Quero crer que [os que jogam lixo no chão] são uma pequena minoria, mas esse grupo, deixa para trás pontas de cigarro, embalagens de alimentos, garrafas vazias e outros resíduos.

Vamos tentar fazer melhor! Você aí fora: não é meu dever, nem das outras pessoas, limpar o que você faz. Nem agora nem no futuro."

Jóhannesson, de 50 anos, assumiu a presidência em 2016 e tem mantido elevados índices de aprovação desde então. No ano passado, o índice chegou a 97%, segundo registro da Harvard Political Review, o que faz dele o presidente mais popular desde que o país tornou-se independente da Dinamarca.

Governar é inspirar e servir de exemplo. Jóhannesson, que trabalhava como professor de história na Háskóli Íslands (Universidade da Islândia) até ser eleito, tem feito isso, também, usando as redes sociais.