Preloader

Sociedade

Na Finlândia, fracasso em reformas leva todo o governo a renunciar

terça-feira, 12 de março de 2019
Na Finlândia, fracasso em reformas leva todo o governo a renunciar

Há muitos anos a Finlândia debate a necessidade de reforma de seu sistema social e de saúde. Em 2015, o primeiro-ministro Juha Sipilä venceu as eleições parlamentares prometendo "consertar" tudo que não funcionava na Finlândia, que naquele momento estava em recessão. O ponto central seriam as reformas, que não chegaram a ser votadas por falta de consenso. Não haverá mais tempo de votá-las nesta legislatura, já que a próxima eleição será no mês que vem. O que fez o governo de Sipilä? Anunciou sua renúncia.

 "Meu governo trabalha de acordo com o princípio 'resultados ou demissão'. Sou um homem de princípios, e na política é necessário assumir responsabilidades. Assumo a minha parcela de responsabilidade", afirmou Sipilä. O pedido de demissão foi feito na última sexta-feira.

LEIA TAMBÉM:
"Felizes e desempregados": o que a Finlândia descobriu com seu programa de renda mínima
Campeã em liberdade de imprensa, Finlândia agora pune quem ameaça jornalistas na internet
The Economist: dos oito países mais democráticos do mundo, cinco são escandinavos

O programa de reformas, fonte de discórdia em sucessivos governos há uma década, voltou a dividir a coalizão de governo, integrada pelo Centro (partido do premier), o Partido da Coalizão Nacional (direita) e o partido Reforma Azul (eurocético). Entre as reformas propostas estavam a centralização dos serviços com novas entidades regionais de saúde e a maior utilização de fornecedores privados, dois pontos muito polêmicos.

Os integrantes da coalizão não conseguiram chegar a um acordo em alguns pontos, como a abertura do sistema para dar mais liberdade de escolha aos pacientes. Veronica Rehn-Kivi, do Partido Popular Sueco da Finlândia (liberais), disse que a decisão é uma "vitória" para o estado de bem-estar social. 

Juha Sipilä, de 57 anos, engenheiro de formação, ficou milionário atuando no setor de tecnologia antes de entrar para a política e vencer as eleições legislativas de 2015. A pedido do presidente Sauli Niinistö, ele permanecerá à frente dos temas protocolares até a formação do novo governo.

Em sua campanha, Sipilä dizia encarar as reformas sociais e do sistema de saúde como suas prioridades por considerá-las necessárias para reduzir os custos dos tratamentos de uma população cada vez mais idosa. O índice de pessoas acima do 65 anos no país, que tem 5,4 milhões de habitantes, deve chegar a 26% até 2030. 

O programa de austeridade de Sipilä e uma regulamentação mais rígida para os benefícios sociais adotada durante seu mandato foram muito impopulares no país. A Finlândia tem uma das redes de bem-estar social mais generosas do mundo, mas também um custo de vida elevado. 

(Foto: Roni Rekomaa / Lehtikuva)