Preloader

Sociedade

Ilhas Faroe, da Dinamarca, vão "fechar para manutenção" - mas receberão voluntários

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
Ilhas Faroe, da Dinamarca, vão "fechar para manutenção" - mas receberão voluntários

As Ilhas Faroe vão "fechar para balanço". Território controlado pela Dinamarca, o arquipélago de 18 ilhas não vai receber turistas durante os dias 25 e 27 de abril, exceto por um exclusivíssimo grupo de 100 voluntários, que visitarão o local para participar de uma série de projetos de limpeza e preservação.

Nesses três dias, os visitantes vão se envolver em atividades como a criação de trilhas para caminhada, construção de mirantes que ajudem a preservar santuários de pássaros e instalação de placas de orientação. Quem participar do projeto terá estadia, alimentação e transporte (dentro do arquipélago) de graça, incluindo o jantar de confraternização, agendado para a última noite.

LEIA TAMBÉM:
Por que a Groenlândia não declara independência da Dinamarca, mesmo com apoio popular

A iniciativa, claro, faz parte da estratégia do arquipélago de chamar a atenção de viajantes do mundo todo - e, com isso, aumentar o fluxo de turistas. Nos últimos anos, esse conjunto de ilhas vulcânicas no Atlântico Norte, a meio caminho entre a Noruega e a Islândia, registrou um aumento de cerca de 10% no turismo. A soma de falésias, cachoeiras e vida selvagem tem atraído 100 mil visitantes por ano, como registra a revista islandesa The Reykjavík Grapevine.

A beleza do arquipélago é indiscutível, mas nem só de atrações naturais se faz um bom destino turístico. As Ilhas Faroe têm caído no gosto dos viajantes de todo o planeta, registra o jornal britânico The Guardian, muito graças ao trabalho liderado Guðrið Hojgaard, diretora do conselho de turismo do arquipélago. É dela e de seu time que surgem ideias como o fechamento do local por três dias em abril.

Foi a equipe do conselho de turismo das ilhas que, entre 2016 e 2017, encabeçou a bem-sucedida campanha Sheep View. No projeto, câmeras foram presas em ovelhas, que corriam livres pelo território do arquipélago não apenas para mostrar suas atrações, mas principalmente para convencer o Google a incluir o arquipélago na ferramenta Street View. E funcionou: não só as Ilhas Faroe entraram no Google Street View como a iniciativa, bastante premiada no exterior, tornou-se a maior campanha viral da indústria do turismo na história - ela gerou mais de 5 bilhões de cliques on-line.

No ano passado, Guðrið Hojgaard e sua equipe criaram uma nova campanha viral, na qual moradores do arquipélago traduziam ao vivo frases para qualquer um que quisesse ouvir o "tradutor" falando a língua local. E lá vieram mais holofotes sobre as ilhas e seus 50 mil habitantes - número menor, aliás, que o do rebanho de ovelhas do território.

Clique aqui para saber mais detalhes do projeto de voluntariado e se candidatar a uma das 100 vagas disponíveis.