Início Sociedade Norueguesa volta a ser cidadã do país após 72 anos de punição...

Norueguesa volta a ser cidadã do país após 72 anos de punição por "traição"

Em 1947, dois anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, Lillian Crott Berthung casou-se com o soldado alemão Helmut Crott. A "traição" da norueguesa não foi bem recebida: hostilizada nas ruas, ela se mudou com o marido para a Alemanha em 1947, o que também a fez perder a cidadania de seu país natal.

Mais de sete décadas depois, Lillian, que tornou-se escritora e hoje está com 96 anos, recuperou o direito de ser chamada daquilo que ela é de fato: uma mulher norueguesa. No fim de janeiro, o embaixador da Noruega na Alemanha, Petter Ølberg, entregou a ela o documento que atesta a recuperação de sua cidadania, segundo registrou a rede de televisão NRK.

"Eu não consigo nem acreditar que é verdade. Justo quando eu estou perto de chegar aos 100 anos. Eu preciso digerir a notícia primeiro", disse ela ao receber o passaporte. "É bom pensar nisso." (Antes dessa conquista pessoal, em 2012, a história de amor do casal já havia virado livro, escrito a quatro mãos por Lillian e a filha, Randi Crott.)

Lillian Berthung já havia tentado recuperar a cidadania antes, sem sucesso. A nova investida ocorreu depois de outubro do ano passado, quando a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, fez um pedido oficial de desculpas pelo tratamento dado pelo país às mulheres que se relacionaram com alemães durante o conflito (as "tyskertøs", ou, literalmente, "garotas alemãs"). No Twitter, a própria primeira-ministra registrou a devolução da cidadania à escritora (ver abaixo).

A Alemanha invadiu a Noruega em 1940, e a ocupação durou até o fim da Segunda Guerra, em 1945. Estima-se que entre 40 mil e 50 mil mulheres tenham se relacionado com homens alemães durante o conflito. Após a desocupação, a Noruega fez detenções em massa de "tyskertøs", de acordo com o jornal Norway Today. Muitas foram enviadas para campos de detenção, e outras, sumariamente deportadas.

O número de "tyskertøs" foi equivalente a 10% da população feminina com idades entre 18 e 35 anos. Estima-se que das relações dessas mulheres com alemães tenham nascido entre 10 mil e 12 mil crianças. Há registro de 28 homens que se casaram com mulheres do exército alemão. Oficialmente, eles não foram punidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

“Scandinavian Way” é finalista nos EUA do prêmio PR Daily Awards

0
O Scandinavian Way é um dos finalistas do prêmio internacional PR Daily Awards, criado para identificar os melhores projetos do mundo nas áreas de...