Início Sociedade Na Finlândia, fracasso em reformas leva todo o governo a renunciar

Na Finlândia, fracasso em reformas leva todo o governo a renunciar

Há muitos anos a Finlândia debate a necessidade de reforma de seu sistema social e de saúde. Em 2015, o primeiro-ministro Juha Sipilä venceu as eleições parlamentares prometendo "consertar" tudo que não funcionava na Finlândia, que naquele momento estava em recessão. O ponto central seriam as reformas, que não chegaram a ser votadas por falta de consenso. Não haverá mais tempo de votá-las nesta legislatura, já que a próxima eleição será no mês que vem. O que fez o governo de Sipilä? Anunciou sua renúncia.

 "Meu governo trabalha de acordo com o princípio 'resultados ou demissão'. Sou um homem de princípios, e na política é necessário assumir responsabilidades. Assumo a minha parcela de responsabilidade", afirmou Sipilä. O pedido de demissão foi feito na última sexta-feira.

LEIA TAMBÉM:
– "Felizes e desempregados": o que a Finlândia descobriu com seu programa de renda mínima
– Campeã em liberdade de imprensa, Finlândia agora pune quem ameaça jornalistas na internet
– The Economist: dos oito países mais democráticos do mundo, cinco são escandinavos

O programa de reformas, fonte de discórdia em sucessivos governos há uma década, voltou a dividir a coalizão de governo, integrada pelo Centro (partido do premier), o Partido da Coalizão Nacional (direita) e o partido Reforma Azul (eurocético). Entre as reformas propostas estavam a centralização dos serviços com novas entidades regionais de saúde e a maior utilização de fornecedores privados, dois pontos muito polêmicos.

Os integrantes da coalizão não conseguiram chegar a um acordo em alguns pontos, como a abertura do sistema para dar mais liberdade de escolha aos pacientes. Veronica Rehn-Kivi, do Partido Popular Sueco da Finlândia (liberais), disse que a decisão é uma "vitória" para o estado de bem-estar social. 

Juha Sipilä, de 57 anos, engenheiro de formação, ficou milionário atuando no setor de tecnologia antes de entrar para a política e vencer as eleições legislativas de 2015. A pedido do presidente Sauli Niinistö, ele permanecerá à frente dos temas protocolares até a formação do novo governo.

Em sua campanha, Sipilä dizia encarar as reformas sociais e do sistema de saúde como suas prioridades por considerá-las necessárias para reduzir os custos dos tratamentos de uma população cada vez mais idosa. O índice de pessoas acima do 65 anos no país, que tem 5,4 milhões de habitantes, deve chegar a 26% até 2030. 

O programa de austeridade de Sipilä e uma regulamentação mais rígida para os benefícios sociais adotada durante seu mandato foram muito impopulares no país. A Finlândia tem uma das redes de bem-estar social mais generosas do mundo, mas também um custo de vida elevado. 

(Foto: Roni Rekomaa / Lehtikuva)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -