Início Sociedade Islândia discute o fim de um exotismo local: o Comitê de Nomes

Islândia discute o fim de um exotismo local: o Comitê de Nomes

Criticado por políticos de esquerda e direita, o órgão tem listas de nomes permitidos e proibidos no país e poder de veto até sobre sua grafia

Na Islândia, a não ser em exceções muito bem delimitadas, é proibido batizar uma pessoa usando as letras C, Q, W e Z, que não existem no alfabeto local. Para assegurar o respeito a essa e outras regras, o país conta com o Comitê de Nomes, um órgão de governo tão exótico quanto controverso – e que pode estar com os dias contados.

Políticos de esquerda e de direita têm intensificado as críticas ao trabalho do comitê. Nesse grupo está a própria ministra da Justiça islandesa, Áslaug Arna Sigurbjörnsdóttir, responsável pelo projeto de lei que pode encerrar as atividades do órgão. O texto foi apresentado na última semana e ficará em consulta pública até esta quinta-feira (5/3). Caso a proposta vingue e se transforme em lei, o comitê, criado em 1991, deixará de existir.

Muitos países – Brasil entre eles – têm leis para evitar que as crianças recebam nomes que sejam depreciativos ou que possam transformá-las em alvo de chacota. O comitê islandês não se limita a esse papel. Em linhas gerais, ele usa dois critérios para decidir se uma pessoa pode ou não receber o nome apresentado no local de registro: as regras gramaticais do país e o precedente histórico.

País tem listas de nomes permitidos e proibidos

O argumento gramatical é o que proíbe, por exemplo, o uso das letras C, Q, W e Z. O “precedente histórico”, por sua vez, avalia se o nome tem raízes na cultura local – em outras palavras, se ele é “islandês” ou se, ao menos, já foi usado em outros momentos da história do país. Em reuniões periódicas, o órgão decide quais nomes podem ser utilizados e quais não podem. Sim, é isso mesmo: há uma lista oficial de nomes de meninos e uma de meninas, cada uma delas com mais de 1,7 mil formas de batizar um bebê islandês. Há ainda uma lista com nomes vetados – Diego e Manuela, apenas para citar dois que soam familiares aos brasileiros, estão nela.

Entre as restrições já impostas pelo comitê islandês, uma das mais conhecidas envolveu Jón Gnarr, ex-prefeito da capital do país, Reykjavík. Como o próprio Gnarr relatou, em 1992, ele batizou uma de suas filhas de Camilla, em homenagem à avó. Ao receber a certidão de nascimento, no entanto, o nome foi grafado “Kamilla”, já que C não podia ser usado.

Em sua última reunião de 2019, realizada em novembro, o comitê vetou dois nomes. “Zelda” não foi aceito porque, além de ter a letra Z, não é suficientemente “islandês” – ou, dito de outra forma, falta o tal “precedente histórico”. O outro veto foi ao nome “Lucifer” – segundo o comitê, “por motivos óbvios”, mas também porque leva a letra C. A ministra Áslaug Arna Sigurbjörnsdóttir assegura que o fim do órgão não significa que qualquer nome passará a ser aceito, mas sim que, como em outros países, haverá outras instâncias para proteger as crianças de escolhas infelizes feitas por seus pais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

“Scandinavian Way” é finalista nos EUA do prêmio PR Daily Awards

0
O Scandinavian Way é um dos finalistas do prêmio internacional PR Daily Awards, criado para identificar os melhores projetos do mundo nas áreas de...