IDH: Noruega segue no topo do ranking de desenvolvimento humano

0
422
imagem 3

A Noruega manteve a primeira posição no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o principal comparativo internacional sobre a qualidade de vida dos países. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), responsável pelo indicador, divulgou sua versão atualizada nesta segunda-feira (9/12).

Calculado anualmente, o IDH leva em consideração indicadores de saúde, educação e renda. Os países recebem notas em uma escala de 0 a 1 – quanto maior a nota, mais desenvolvido é o país. Com IDH de 0,954, a Noruega apareceu mais uma vez em primeiro lugar, posição que ela já havia ocupado nos dois anos anteriores.

LEIA TAMBÉM:
– Escandinavos estão entre os países mais atrativos para talentos
– Escandinavos dominam nova pesquisa sobre prosperidade global
– Noruega muda currículo escolar para promover pensamento crítico

Entre os dados que colocam os noruegueses no topo estão sua alta expectativa de vida, de 82,3 anos, o tempo de escolaridade previsto da população, de 18,1 anos, em média, e o de estudo efetivo, que chega a 12,6 anos. Além disso, a renda per capita norueguesa, uma das mais altas do mundo, chega a US$ 68.059, ou o equivalente, hoje, a R$ 282 mil por ano.

A escala da Pnud divide os países analisados com IDH muito alto, alto, médio e baixo. Todos os escandinavos estão no primeiro grupo, e dois deles – além da Noruega – estão também no grupo dos dez primeiros. A Islândia subiu um degrau em relação ao ano passado e passou à sexta posição, empatada com a Austrália, enquanto a Suécia seguiu na oitava colocação. Dinamarca e Finlândia, respectivamente em 11º e 12º, também mantiveram suas posições de um ano atrás.

O Brasil perdeu uma posição em relação à edição anterior da pesquisa, passando de 78º para 79º. Com IDH de 0,761, o país está no grupo dos que têm desenvolvimento humano alto, segundo a escala da Pnud. Todos os dados do relatório divulgado nesta segunda são de 2018. Os números referentes a 2019 serão divulgados no levantamento que será publicado no fim do próximo ano.

Clique aqui para ler o relatório na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui