Início Sociedade Nada de "futebol feminino": na Finlândia, agora é só futebol

Nada de “futebol feminino”: na Finlândia, agora é só futebol

Antes chamada Liga Feminina, a principal divisão disputada pelas mulheres foi rebatizada e não terá mais referência ao gênero das atletas

Em campo, a seleção feminina de futebol da Finlândia ocupa hoje a 28ª posição no ranking da Fifa, entidade que comanda a modalidade no mundo. Essa posição é a pior entre as equipes nórdicas. Mas, em sua busca por igualdade de gêneros, o futebol finlandês já é uma referência global. O país acaba de dar um passo adiante nesses esforços ao renomear a própria modalidade: agora, na Finlândia, o nome do “futebol feminino” é, simplesmente, futebol.

A Federação Finlandesa de Futebol anunciou nesta quinta-feira (27/2) a decisão de rebatizar a principal competição disputada pelas mulheres no país. Antes conhecida como “Liga Feminina”, a divisão mais importante do torneio passará a se chamar Kansallinen Liiga (Liga Nacional) a partir da temporada 2020.

“Na comunidade esportiva, é comum que se fale em ‘esportes’ e ‘esportes femininos’, como se a versão das mulheres fosse algo menor, o que obviamente não é o caso”, disse Heidi Pihlaja, chefe de desenvolvimento de futebol feminino da Federação de Futebol da Finlândia. “Futebol é futebol, não importa quem chuta a bola. Alguns podem ver a mudança de nome como insignificante, mas, na verdade, é uma afirmação forte, que representa uma mudança cultural mais ampla na comunidade esportiva e em nossa sociedade”.

Prêmios iguais para homens e mulheres

A decisão da Federação Finlandesa ocorre poucos meses depois de outra que também carrega enorme simbologia. Em setembro, as atletas da seleção assinaram com a entidade um contrato que assegura a elas as mesmas premiações pagas aos homens em vitórias e empates. O acordo tem validade de quatro anos.

Os resultados da seleção finlandesa ainda não se equiparam, por exemplo, aos da Noruega, campeã mundial em 1995, ou da Suécia, que ocupa o quinto lugar no ranking da Fifa e foi vice-campeã na Copa do Mundo de 2003 e nos Jogos Olímpicos de 2016. Mas, na busca por igualdade, as mulheres do futebol escandinavo têm todas somado vitórias nos últimos anos. Para citar um caso, antes da Finlândia, a Noruega já havia assegurado premiações iguais para as seleções masculina e feminina. O acordo foi assinado em outubro de 2017.

As conquistas das mulheres finlandesas não são um fenômeno recente – e nem se restringem ao universo esportivo. Há pouco mais de um século, a Finlândia foi, por exemplo, o primeiro país do mundo a eleger mulheres para o Parlamento. Hoje, esse pioneirismo tem entre seus desdobramentos o fato de o país ser comandado pela primeira-ministra Sanna Marin. Aos 34 anos, ela é a chefe de governo em exercício mais jovem do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -