Início Sociedade Na fronteira Dinamarca-Alemanha, o amor nos tempos da covid-19

Na fronteira Dinamarca-Alemanha, o amor nos tempos da covid-19

Sem poderem ir de um lado a outro na pandemia, dinamarquesa de 85 anos e seu namorado alemão, de 89, encontram-se no local para tomar café e conversar

Com a travessia entre Dinamarca e Alemanha proibida por causa da pandemia, um casal de octogenários fez da fronteira entre os dois países seu novo ponto de encontro. Sob o regime imposto pelo novo coronavírus, a dinamarquesa Inga Rasmussen, de 85 anos, e o alemão Karsten Tüchsen Hansen, de 89, mantiveram o romance com encontros diários na divisa entre as cidades de Tønder, na Dinamarca, e Aventoft, na Alemanha.

Viúvos, eles se conheceram há dois anos, e desde março de 2019 se veem todos os dias. A rotina de encontros ficou comprometida quando Dinamarca e Alemanha fecharam suas fronteiras como parte dos esforços para conter a pandemia. Os dinamarqueses fecharam primeiro, no dia 14 de março; dois dias depois, os alemães fez o mesmo.

Sem poder ir de um lado a outro, o casal de idosos bolou a alternativa para realimentar o amor nos tempos da covid-19: encontros diários na fronteira mesmo. Antes da pandemia, a casal normalmente se abraçava e se beijava ao se ver. Agora, eles obedecem as regras de distanciamento, o que não os impede de conversar ao ar livre, comer biscoitos, beber café ou uma dose de Geele Köm, bebida alcoólica popular do norte da Alemanha.

Ela dirige e ele pedala

Inga mora na cidade dinamarquesa de Gallehus e Karsten, em Süderlügum, do lado alemão. Os encontros ocorrem sempre por volta de 15h. Ela vai ao local dirigindo seu carro – e só bebe café – levando a mesa, as cadeiras e as bebidas. Ele se desloca de bicicleta elétrica.

A história do casal ficou conhecida quando Henrik Frandsen, prefeito de Tønder, do lado dinamarquês, passou pelo local em um passeio de bicicleta. Ele fotografou os namorados e postou a imagem no Facebook. Desde então, Inga e Karsten viraram uma espécie de estrelas locais – e inspiradoras – durante a pandemia. Sua história foi contada em veículos que vão das rádios das cidades próximas ao jornal americano The New York Times.

“Eu acho que [a história do casal] traz um pouco de esperança às pessoas, um pouco de luz na escuridão”, disse o prefeito à publicação. E traz também um pouco também de bom humor. Inga Rasmussen relata que, quando suas três filhas eram adolescentes, sempre as aconselhou a não se casarem com um homem alemão. Não por xenofobia, explica a dinamarquesa, mas porque ela não queria que as filhas fossem morar longe de sua casa. “Agora, minhas filhas ficam me perguntando o que é que eu estou fazendo.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

“Scandinavian Way” é finalista nos EUA do prêmio PR Daily Awards

0
O Scandinavian Way é um dos finalistas do prêmio internacional PR Daily Awards, criado para identificar os melhores projetos do mundo nas áreas de...