Início Inovação Fabricante finlandesa cresce com “móveis anti-Covid”

Fabricante finlandesa cresce com “móveis anti-Covid”

A Isku é uma fabricante de móveis com um estilo nórdico bem definido. É impossível não se lembrar da sueca Ikea ao ver seus produtos, suas lojas e sua estratégia de produção sustentável. Mas a finlandesa tem se destacado, principalmente desde o ano passado, por sua produção de móveis antimicrobianos, também se mostrar efetiva no combate do novo coronavírus.

Em parceria com centros de pesquisa, universidades e outras empresas, a companhia vem desenvolvendo superfícies antimicróbios há alguns anos e que agora começam a ganhar espaço. Há sete anos, a Isku já produz e vende móveis escolares, de escritório e para hospitais com a tecnologia, trazendo funcionalidade e segurança sanitária para esses espaços. De acordo com a empresa, testes apontam que, seis meses após o uso, os produtos da com a tecnologia apresentam 92,7% menos bactérias que os convencionais. 

O investimento nessa tecnologia surgiu como resposta para tentar controlar um problema: na Europa estima-se que 37 mil pessoas morram por ano por bactérias nosocomiais, que podem provocar infecções que não são combatidas com antibióticos comuns. Isso é um número maior que o total de vidas perdidas no continente em acidentes de carro.

A tecnologia parte de dois componentes principais bastante conhecidos: prata e cobre. Materiais que, segundo a Yle, a agência pública de notícias da Finlândia, já eram utilizados para purificação desde a Roma Antiga. 

Em meados de 2020, o interesse dos clientes por móveis antimicrobianos aumentou, muito em função da Covid-19. De acordo com o CEO da Isku, Arto Tiitinen, eles custam cerca de um quinto a mais do que os móveis comuns, mas a diferença de preço é rapidamente recuperada à medida que diminui a licença médica das pessoas.

A empresa atua com outras compatriotas que buscam ampliar a gama de produtos antibacterianos. A Aliança Hygtech, que reúne empresas como a Abloy que está usando prata na superfície de maçanetas, a Oras produz torneiras acionadas sem contato e a Lojer que é focada nas necessidades de móveis hospitalares.

Essas companhias também fazem parte do projeto IHMEC, que recebeu 2 milhões de euros e reúne especialistas da Finlândia, Suécia e Estônia para criar soluções contra bactérias em superfícies, inclusive hospitalares, para atender os países do Oriente Médio.O objetivo do projeto é exportar soluções de higiene para a Arábia Saudita, que pode servir de porta de entrada para outros países do Oriente Médio.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -