Início Sociedade Dinamarca e Finlândia se destacam em Índice de Qualidade de Vida Digital 

Dinamarca e Finlândia se destacam em Índice de Qualidade de Vida Digital 

O Índice de Qualidade de Vida Digital (DQL) de 2021 mostrou que Dinamarca e Finlândia lideram quando o assunto é qualidade digital em uma análise entre 110 países neste país. O estudo avaliou cinco pontos principais sobre bem-estar digital, a Dinamarca ficou em primeiro lugar e a Finlândia em terceiro. O ranking é feito pela empresa de segurança cibernética Surfshark e essa é a sua terceira edição

Dentre os pontos avaliados, a Filândia, por exemplo, se destacou em quatro: acessibilidade da internet (4º), infraestrutura eletrônica (7º), governo eletrônico (4º) e segurança eletrônica (7º), no entanto o resultado em relação à qualidade de Internet se mostrou inferior (27º).

O levantamento mostrou ainda que, de forma geral, a Finlândia melhorou significativamente seu bem-estar digital em comparação com o DQL de  2020, subindo do 11º para o 3º lugar e superou a Suécia e a Noruega na pontuação final. O estudo mostra que a Finlândia tem a segunda internet banda larga mais acessível do mundo. Além disso, os finlandeses precisam trabalhar 31 minutos para pagar o pacote de internet banda larga mais barato, o que significa 1 hora e 21 minutos a menos do que em 2020.

Globalmente, a Internet de banda larga mais barata custa 6 horas de trabalho por mês. Para efeito de comparação, os dinamarqueses e os suecos precisam trabalhar três vezes mais para pagar pela internet de banda larga, enquanto os noruegueses trabalham quatro vezes mais. O país também apresenta melhores pontuações de segurança eletrônica e governo eletrônico do que a Dinamarca, que ficou em primeiro lugar globalmente este ano.

Apesar dos avanços, a pesquisa identificou que a qualidade da Internet na Finlândia diminuiu 18% desde o ano passado. Seus critérios de classificação mais baixos são o crescimento da velocidade da banda larga ano a ano, estabilidade da internet banda larga e velocidade da banda larga. Ainda assim, os países do norte da Europa, incluindo a Finlândia, ainda têm um DQL mais alto do que quase dois terços (63%) do mundo

“As oportunidades digitais provaram ser mais importantes do que nunca durante a crise do COVID-19, enfatizando a importância de cada país garantir capacidades operacionais totalmente remotas para suas economias”, explica Vytautas Kaziukonis, CEO da Surfshark. 

“É por isso que, pelo terceiro ano consecutivo, continuamos a pesquisa de Qualidade de Vida Digital, que fornece uma visão global robusta de como os países se destacam digitalmente. O índice estabelece a base para discussões significativas sobre como o avanço digital afeta a prosperidade de um país e onde melhorias podem ser feitas”.

Em um quadro geral, 6 entre 10 países com as pontuações mais altas estão localizados na Europa, seguindo a tendência do ano passado. A Dinamarca ocupa o primeiro lugar em DQL pelo segundo ano consecutivo e é seguida de perto pela Coreia do Sul. A Finlândia ocupa o terceiro lugar, enquanto Israel e os EUA completam os cinco primeiros entre 110 países avaliados. Os cinco últimos países são: Etiópia, Camboja, Camarões, Guatemala e Angola.

Regionalmente, os EUA se destacam como um país com a maior qualidade de vida digital nas Américas, enquanto a Coreia do Sul assume a posição de liderança na Ásia. Entre os países da África, as pessoas da África do Sul desfrutam da mais alta qualidade de suas vidas digitais, enquanto a Austrália lidera na Oceania, superando a Nova Zelândia em várias áreas digitais.

O estudo revelou ainda que a banda larga está globalmente menos acessível este ano. Comparando os países incluídos no DQL20 e no DQL21, as pessoas precisam trabalhar 11% mais (25 minutos a mais) para ter acesso à internet banda larga em 2021. No entanto, as pessoas precisam trabalhar 29% menos (28 minutos a menos) para ter acesso à internet móvel este ano.

A pior internet do mundo é a menos acessível. Pessoas em alguns países, como Nigéria, Costa do Marfim e Mali, precisam de aproximadamente uma semana de trabalho para ter acesso à Internet.

Investir em infraestrutura eletrônica e governo eletrônico contribui ao máximo para o bem-estar digital das pessoas.

Para o estudo foram ouvidas mais de 6,9 ​​bilhões de pessoas em termos de cinco pilares principais e 14 indicadores básicos que fornecem uma medida abrangente. O estudo é baseado em informações de código aberto fornecidas pelas Nações Unidas, Banco Mundial, Freedom House, União Internacional de Comunicações e outras fontes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -