Início Escandinávia e Brasil Evento discute práticas escandinavas em inclusão e igualdade de gênero

Evento discute práticas escandinavas em inclusão e igualdade de gênero

Embaixadas apresentam a abordagem de Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia em frentes como diversidade e educação e discutem como esses modelos poderiam inspirar iniciativas brasileiras

Quando se trata de igualdade de gênero e diversidade, os países nórdicos estão na linha de frente da implementação das boas práticas. Por isso, o evento “Gênero e inclusão nas empresas: diálogos sobre o impacto da igualdade de gênero nos países nórdicos e no Brasil“, realizado em 12 de novembro, em São Paulo, teve especial relevância no debate desses temas tão atuais.

A iniciativa foi das embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, do Instituto Cultural da Dinamarca no Brasil e das Câmaras de Comércio Nórdicas. O evento teve a presença de Nicolai Prytz, embaixador da Dinamarca, além de representantes de instituições globais e executivos de empresas escandinavas com atuação no Brasil (caso da Aker Solutions e Maersk). Representantes da ONU Mulheres, Pacto Global e Schneider Electrics falaram sobre tendências e boas práticas.

O evento teve também quatro workshops. A Finlândia, referência mundial em educação, abordou o tema “Educação como meio de promoção da diversidade e igualdade de gênero”; a Noruega conduziu a discussão sobre “As melhores práticas de seleção visando garantir diversidade e igualdade de gênero”. A Dinamarca liderou o diálogo sobre “Como garantir igualdade e promover a diversidade em todas as fases da carreira, do início ao fim”. O quarto workshop, sob responsabilidade da Suécia, deu foco aos “Desafios enfrentados pelas mulheres quando decidem ser empreendedoras e como combinar negócios e família”.

Os participantes, em sua maioria colaboradores de companhias de origem nórdica, reuniram-se em grupos para discutir os temas, e a apresentação das conclusões encerrou o evento. Entre os principais pontos levantados estão:

  • necessidade de se construir uma estratégia cultural e de negócios que tenha a diversidade como uma premissa;
  • educação e treinamento contínuo de funcionários e lideranças como forma de disseminar valores de inclusão e acolhimento de minorias;
  • conscientização acerca da neutralidade em processos de recrutamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -