Início Inovação Água com ozônio é alternativa a álcool gel, diz estudo norueguês

Água com ozônio é alternativa a álcool gel, diz estudo norueguês

Publicada em 2019, antes da crise do coronavírus, a pesquisa mostra que a água ozonizada é uma opção até mais eficaz para desinfetar as mãos

Lavar frequentemente as mãos com sabão ou sabonete e aplicar álcool gel são duas das formas mais eficazes de evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Mas, segundo um estudo feito por pesquisadores noruegueses, há uma alternativa ao álcool gel que é, no mínimo, tão eficaz para higienizar as mãos quanto ele: água corrente, de torneira, com adição de ozônio.

Embora não tenha sido realizada por causa da pandemia da Covid-19, infecção respiratória causada pelo vírus, a pesquisa é recente. Publicada em 2019, ela mostrou que a água ozonizada foi até mais eficiente que o álcool gel para remover as bactérias E. coli, que são normalmente encontradas no intestino humano, mas que, em grandes quantidades, podem causar infecções intestinais e urinárias. O estudo foi publicado no Journal of Hospital Infection.

A ideia da pesquisa surgiu a partir de um incidente ocorrido na cidade norueguesa de Bergen em 2004, quando centenas de pessoas foram infectadas com giárdia. Esse protozoário também é encontrado no intestino humano, mas, em grandes quantidades, pode causar diarreia e dificuldade para a absorção de nutrientes durante a digestão. Como a giárdia estava na água potável da cidade, várias pré-escolas e jardins de infância começaram a usar água de torneira ozonizada para lavar as mãos. Era uma tentativa de reduzir a propagação de doenças, mas, com a repercussão negativa, as autoridades desistiram dessa abordagem.

Poucas informações

Líder do estudo, Hans Johan Breidablik, PhD e consultor sênior do Førde Hospital Trust, disse que decidiu investigar a eficácia do método ao perceber que havia poucas informações científicas sobre ele. Faltam pesquisas a respeito, disse, mesmo o ozônio sendo usado em lugar do cloro como desinfetante em algumas estações de tratamento de água.

Com o uso de E. coli tratadas para que não fossem infecciosas, o estudo teve a participação de 30 profissionais de enfermagem. Eles mergulharam uma das mãos em um composto com mais de 30 mil bactérias e a lavaram com um dos métodos. “Depois de várias semanas, o experimento foi repetido, mas cada um trocou a mão e o método usado. Isso descartou diferenças individuais”, explicou Breidablik.

Os pesquisadores testaram duas concentrações diferentes de ozônio na água da torneira para o estudo, e aí apareceu uma das surpresas: a menor concentração era melhor na remoção de bactérias. Breidablik diz ser importante procurar alternativas aos métodos de desinfecção mais usuais – e a declaração foi dada, frise-se, muito antes da crise atual do coronavírus.

Sem alergia

Outro benefício de lavar as mãos em água ozonizada é que essa alternativa não causa irritação e ressecamento da pele, o que muitas vezes ocorre com o álcool gel. Breidablik relatou o caso de cirurgiões que haviam abandonado sua profissão por terem desenvolvido uma alergia conhecida como eczema. Esses profissionais, conta o pesquisador, puderam retornar à atividade quando passaram a usar água ozonizada para higienizar as mãos.

O gás ozônio pode ser tóxico para o organismo em altas concentrações. No entanto, quando adicionado à água, as concentrações de ozônio são bastante baixas. Na natureza, a incidência mais alta de ozônio é encontrada na estratosfera. O gás ajuda a filtrar grande parte da luz ultravioleta do sol, que causa doenças como câncer de pele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

“Scandinavian Way” é finalista nos EUA do prêmio PR Daily Awards

0
O Scandinavian Way é um dos finalistas do prêmio internacional PR Daily Awards, criado para identificar os melhores projetos do mundo nas áreas de...