Início Sociedade A pandemia reforçou a união do país? Na Dinamarca, sim

A pandemia reforçou a união do país? Na Dinamarca, sim

Estratégia dinamarquesa contra a covid-19 é a mais bem-avaliada em pesquisa feita em 14 países; maioria se diz mais unida e otimista com a economia

O trabalho da Dinamarca para enfrentar a pandemia tem a aprovação de 95% da população do país, que se diz mais unida como resultado desse esforço coletivo. Essas descobertas aparecem em uma pesquisa publicada pelo Pew Research Center. O instituto ouviu 14,2 mil pessoas entre os dias 10 de junho e 3 de agosto.

A avaliação sobre o governo dinamarquês foi a mais positiva entre todos os 14 países incluídos no levantamento. Reino Unido e Estados Unidos tiveram as piores avaliações; dos entrevistados nesses países, 54% e 52%, respectivamente, disseram que seus governos têm feito um trabalho ruim para enfrentar o novo coronavírus. Na Suécia – que foi, ao lado da Dinamarca, o outro representante da Escandinávia no levantamento -, as avaliações positivas somaram 71% e as negativas, 29%. O Brasil não foi incluído na pesquisa.

Mas o Pew Research Center não ouviu as opiniões das pessoas apenas sobre o trabalhos dos governos. No caso da Dinamarca, a avaliação positiva foi acompanhada, por exemplo, por relatos de confiança no quadro geral da economia. O Scandinavian Way apresenta a seguir algumas das entrelinhas dessa pesquisa:

País mais unido

Os resultados da Dinamarca na luta contra o novo coronavírus aumentaram o sentimento de união entre a população. Dos dinamarqueses entrevistados, 72% disseram que o país está hoje mais unido do que antes da pandemia; esse índice foi o mais elevado entre os 14 países do estudo. Na ponta oposta, a percepção de desunião foi mais alta nos EUA, com 77% dos entrevistados tendo feito essa declaração.

Mais confiança na economia

A pesquisa mostra uma correlação direta entre o bom trabalho dos governos e a confiança da população no atual momento da economia. Na Dinamarca, 97% das pessoas que têm uma visão positiva do quadro econômico declararam aprovar a atuação do governo; entre os críticos do trabalho feito pelo governo, a visão positiva sobre a economia chega a 90%. Essa diferença, de apenas sete pontos percentuais, é uma medida de confiança – e só foi menor que a registrada na Austrália, de quatro pontos. Os EUA tiveram a maior distância entre “otimistas” e “pessimistas”. Lá, a diferença foi de 44 pontos percentuais (78% a 34%, respectivamente).

Cotidiano pouco afetado – mesmo com forte isolamento

Em março, a Dinamarca adotou fortes medidas de isolamento social para conter a disseminação da covid-19. Foram dois meses de lockdown intensivo, entre março e maio. Ainda assim, os dinamarqueses foram os que menos relataram na pesquisa mudanças em seu cotidiano por causa da pandemia. Os que sentiram pouca ou nenhuma mudança somaram 73% no país. Na Coreia do Sul, as pessoas que declararam mudanças grandes ou muito grandes chegaram a 81%.

Cooperação internacional

A maior parte dos entrevistados na Europa acredita que o número de mortes na pandemia teria sido menor com mais cooperação internacional. Curiosamente, essa não foi a avaliação dominante entre os dinamarqueses. Das pessoas consultadas no país, 78% acham que o número de infectados não teria sido sido menor com mais ajuda entre os entre as nações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

direito ao esquecimento bandeira da Suécia

“Direito ao esquecimento” faz Google levar multa recorde na Suécia

0
Na última semana, o descumprimento do chamado "direito ao esquecimento" fez o Google levar uma multa sem precedentes na Suécia. Com base em uma...
- Publicidade -